(79) 3019 -9566 / (79) 9 9127-6331
@CLINICASONHA
Sobre
Apneia do Sono





Apneia do Sono

A apneia obstrutiva é marcada pelo fechamento total ou parcial das vias aéreas superiores por alguns segundos, fazendo com que a pessoa pare de respirar enquanto dorme.

Alguns sinais são típicos da apneia: o ronco, paradas visíveis na respiração durante o sono e sonolência excessiva diurna.

 

Causas

*  Flacidez nos músculos da boca e da garganta;

*  Amígdalas e adenóides hipertrofiadas;

*  Desvio do septo nasal;

*  Pólipos no nariz;

*  Palato em forma de ogiva;

*  Rinite, sinusite e obstruções nasais;

*  Palato mole e úvula aumentados;

*  Queixo retraído;

*  Envelhecimento.

 

Fatores de risco:

Funcionam como fatores de risco ou agravantes do problema:

*  Pescoço mais grosso e mais curto;

*  Obesidade;

*  Ingestão de bebidas alcoólicas;

*  Uso de remédios para dormir ou de calmantes;

*  Dormir em decúbito dorsal;

*  Excessos alimentares antes de dormir;

*  Refluxo gastroesofágico;

*  Tabagismo.

 

O indivíduo com apneia do sono raramente percebe que tem dificuldade para respirar durante o sono e, por esse motivo, a doença geralmente passa despercebida ao longo de vários anos até o seu diagnóstico. Em muitos casos, a suspeita da doença é levantada por outras pessoas que observam os episódios de apneia ou devido aos seguintes sintomas que podem ser observados:

  • Ronco alto e interrompido
  • Sono agitado
  • Engasgos noturnos
  • Sonolência excessiva durante o dia
  • Despertares frequentes
  • Levantar-se para urinar à noite
  • Pesadelos
  • Sono não reparador
  • Fadiga crônica
  • Dor de cabeça pela manhã
  • Irritabilidade
  • Apatia, depressão
  • Dificuldade de concentração
  • Perda de memória
  • Impotência sexual

 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da apneia do sono é feito através de um exame chamado polissonografia que é realizada à noite, em um laboratório do sono, sob a supervisão de técnico e enfermeiro capacitados. O paciente deve dormir com sensores fixados no corpo que permitem o registro da passagem do ar pelo nariz e boca, oxigenação sanguínea, frequência cardíaca, movimentos do tórax, posição do corpo na cama, além de outros dados. Os sensores são fixados de maneira a permitir ao paciente movimentar-se durante o exame, não atrapalhando assim o sono. Em casos selecionados o exame pode ser realizado no próprio domicílio do paciente através de aparelhos portáteis.

 

TRATAMENTO DA APNEIA DO SONO

O tratamento depende da causa e da gravidade da doença. O ronco, sem apneia, bem como a apneia do sono leve, podem ter melhora significativa com medidas simples, como: dormir de lado, perder peso, evitar o uso de álcool ou tranquilizantes, entre outras. Em alguns casos, pode ser indicado o uso de dispositivos orais, confeccionados por dentistas, que avançam a mandíbula durante o sono (placa oral).

O tratamento mais eficaz para os casos moderados ou graves consiste no uso do aparelho chamado CPAP (do inglês, Continuous Positive Airway Pressure). O CPAP consiste em um pequeno compressor de ar, muito silencioso e de alta tecnologia que se conecta a uma máscara ajustada ao nariz do paciente, injetando ar nas vias aéreas, mantendo as paredes da faringe afastadas, impedindo o colapso dessas vias.

Alguns pacientes podem se beneficiar de algum tipo de cirurgia aplicada ao nariz e/ou à garganta. Em todos os casos, o paciente deve ser cuidadosamente avaliado por médico especialista em distúrbios do sono para indicar o tipo de tratamento.

 

TRATAMENTO COM APARELHO INTRAORAL

Os aparelhos intraorais são de fácil adaptação e eficazes, principalmente em apneias leves a moderadas e ronco simples.

O tratamento envolve também alterações comportamentais para a obtenção dos melhores resultados.

Os aparelhos orais articulam-se entre si avançando a mandíbula e afastando os tecidos da garganta, evitando o ronco e a apneia do sono.

É um tratamento conservador realizado por dentistas com conhecimento e treinamento em medicina do sono.

 

ODONTOLOGIA DO SONO

A odontologia do sono é uma área que permite ao dentista atuar no tratamento dos distúrbios do sono.

O profissional, capacitado para interpretar uma polissonografia, pode identificar,  prevenir e tratar ronco comum, bruxismo, e apneia.

 

DENTISTA DO SONO

O dentista do sono deve ter amplo conhecimento sobre os distúrbios do sono relacionados à Odontologia e à Medicina do Sono, para poder, juntamente com o médico do sono, discutir o melhor plano de tratamento para os pacientes.

Também é preciso conhecer, realizar, saber monitorar e controlar os diversos tipos de dispositivos intraorais para tratamento do ronco, da apneia do sono, bruxismo e da disfunção da ATM.

O dentista do sono, juntamente com o médico do sono, tem um papel fundamental no diagnóstico e tratamento dessas desordens.

O diagnóstico começa por um exame clínico e físico do paciente, numa primeira consulta, onde vários aspectos da pessoa são analisados.

Em seguida, se necessário, pede-se alguns exames para complementar o diagnóstico, tendo a polissonografia papel imprescindível nessa fase.

Muitos pacientes vão ao consultório por causa do ronco e muitos deles não sabem, mas são portadores da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS).

Sobre a clínica