(79) 3019 -9566 / (79) 9 9127-6331
@CLINICASONHA
Alterações Comportamentais decorrentes da Halitose



[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text disable_pattern=”true” align=”left” margin_bottom=”0″]Os 02 objetivos principais do tratamento do hálito em nossa clínica são, devolver ao paciente um hálito fresco e agradável e, principalmente, permitir ao Paciente que ele recupere a segurança em seu hálito.

Ou seja: Bom hálito e Segurança !!

Quem tem halitose ou acredita que tem o problema, têm como consequências grandes transformações no seu contato social, profissional, afetivo e familiar. Muitas vezes, acaba ficando isolado no meio em que convive, afetando suas relações íntimas (família, casamento, namoro) e até seu desempenho profissional.

É comum que o portador de mau hálito chegue em nossa clínica descrente em qualquer solução para seu problema, pois ele já tentou inúmeras soluções e tratamentos, usando diversos remédios, submetendo-se a endoscopias, cirurgia de estômago, cirurgia para extração das amígdalas, de dentes, trocas de restaurações e de próteses, etc., sem obter resultados satisfatórios.

Normalmente o paciente portador de mau hálito se sente muito preocupado com a reação das pessoas. Se coçarem ou passarem a mão no nariz ao seu lado ou se alguém lhe oferecer balas ou chicletes, ele já vai achar que o problema é com ele, por causa do seu hálito.

Comumente observamos também, que pessoas que já tiveram mau hálito e que devido a condutas que adotaram, não têm mais o problema, continuam a acreditar que têm, devido principalmente à boca amarga e/ou seca persistentes, a interpretar errôneamente a reação das pessoas e a nunca terem conversado a respeito do seu problema com ninguém, literalmente sofrendo caladas por anos a fio, e com isso, agravando ainda mais a sua insegurança e mal estar.

Em função disso, a questão comportamental e psicológica assume grande importância para nós. O paciente irá através de nosso tratamento, não apenas eliminar o seu mau hálito, bem como, terá a perspectiva de voltar a ter uma vida normal, pois daremos a ele o suporte necessário para que ele recupere sua segurança, naturalidade e autoestima, muitas vezes abaladas por conviver durante anos com o problema.

Como mencionamos acima, os objetivos de nosso tratamento são devolver ao nosso paciente um hálito fresco e agradável e também a sua segurança, autoestima, espontaneidade e naturalidade.

Para isso utilizamos técnicas comportamentais/cognitivas, que são utilizadas para casos de fobia específica ou fobia social (circunscrita ou generalizada), adaptadas ao tratamento da halitose e já utilizadas em mais de 3.000 pacientes, com um ótimo índice de sucesso.

Assim, é fundamental fazer o diagnóstico diferencial ao tratar pacientes com halitose real, halitose controlada e muitas alterações de comportamento, halitose psicogênica ou imaginária, halitofobia, ou ainda com a presença persistente de alteração de paladar.

Ainda existem discussões científicas a respeito desta classificação, no entanto, em nossa clínica e cursos as definimos da seguinte maneira:

Halitose real, com a presença ou não de muitas alterações comportamentais:

A pessoa tem um mau hálito evidente, que é percebido por pessoas que com ela convivem, sendo confirmado em consulta pelas leituras do halímetro e o teste organoléptico, podendo ser acompanhado ou não de muitas alterações comportamentais.

Existem alguns sinais claros que evidenciam a presença do mau hálito como, por exemplo, a presença de saburra lingual, cáseos amigdalianos, hiposalivação, má higiene bucal, gengivite, periodontite, impactação alimentar, hipoglicemia, entre outros. A frequência de pacientes com Halitose real em nossa clínica é uma condição comum, sendo que na maioria dos casos é acompanhado de muitas alterações comportamentais, sendo que o paciente tem consciência de seu problema.

Em poucos casos, especialmente nos casos aonde o paciente veio por encaminhamento da esposa ou marido ou ainda, trazido(a) pelos pais, em caso de pacientes adolescentes, os pacientes normalmente têm poucas alterações comportamentais pelo fato de não terem consciência de seu problema.

Halitose controlada, com a presença de muitas alterações comportamentais:

A pessoa tem muitas alterações de comportamento e existem alguns sinais claros que evidenciam a presença do mau hálito como, por exemplo, a presença de saburra lingual, cáseos amigdalianos, hiposalivação, má higiene bucal, gengivite, periodontite, impactação alimentar, hipoglicemia, entre outros.

Entretanto, os amigos e familiares que convivem com ela não percebem um mau hálito evidente. Normalmente o que ocorre nestes casos é que a Halitose foi total ou parcialmente controlada devido a condutas que a pessoa aprendeu e vem adotando ou a halitose pode ser leve mas não ser percebida por pessoas próximas, devido a sempre ser mascarada por balas, chicletes e/ou enxaguatórios bucais.

Assim, a pessoa tem uma forte crença que a halitose ainda persiste e que não dizem a verdade sobre seu hálito.

As leituras do halímetro e o teste organoléptico (checagem do hálito do paciente feita pelo profissional) podem ser normais ou levemente alteradas, mas a pessoa normalmente acredita que sua halitose é proporcional às suas alterações comportamentais (insegurança, isolamento social, baixa autoestima, etc.), ou seja, ela acredita ter uma halitose moderada ou forte.

Em raros casos pode ser necessário o trabalho associado a um(a) psicólogo(a). A frequência de pacientes com Halitose controlada e muitas alterações comportamentais em nossa clínica é uma condição comum.

Halitose psicogênica ou imaginária:

A pessoa acredita ter mau hálito, tendo muitas alterações de comportamento, não tendo evidências para que o mau hálito possa se manifestar ou seja, não existem sinais que evidenciem a presença da halitose como, por exemplo, a presença de saburra lingual passível de provocar halitose, hiposalivação, má higiene bucal, gengivite, periodontite, cáseos amigdalianos, impactação alimentar, hipoglicemia, etc.. As leituras do halímetro e o teste organoléptico (checagem do hálito do paciente feita pelo profissional) são normais.

Em raros casos pode ser necessário o trabalho associado a um(a) psicólogo(a). A frequência de pacientes com halitose imaginária em nossa clínica é uma condição relativamente rara.
Halitofobia:

A pessoa tem um pânico quase que mórbido em ter mau hálito, mas este, ou não está presente ou está adequadamente controlado pelo paciente, mediante as condutas que ele adota, tendo muitas alterações de comportamento.

Ela reclama insistentemente em ter halitose e pode chegar a ficar agressiva se for contrariada a esse respeito ou invalidar seu diagnóstico. É necessária uma abordagem de muito tato e bom senso com esse paciente para escolher qual a melhor conduta.

Normalmente a pessoa sofre de ilusões à respeito do comportamento alheio a respeito do seu hálito, ela acaba por sofrer um isolamento social que pode afetar o sua vida profissional, afetiva e familiar, e não raro, podem ter sintomas de neuroses e psicoses associados, como a depressão, transtorno afetivo bipolar, comportamento obsessivo e/ou compulsivo e fobia social generalizada.

Nos casos de halitofobia é fundamental o tratamento em conjunto a um(a) psicólogo(a) e/ou psiquiatra, para aumentar as chances de um resultado efetivo. A frequência de pacientes com halitofobia em nossa clínica é uma condição relativamente rara.

Tratamentos:

Todas as manifestações acima trazem grandes transtornos pessoais nas áreas afetiva, profissional, social e familiar de nossos pacientes. Eles nos relatam que perdem sua naturalidade, espontaneidade, segurança e usam de artifícios tais como não falar de perto, uso constante de balas e chicletes e se esquivar do convívio social e profissional que envolva contatos mais próximos com as pessoas.

Os aspectos psicológicos e comportamentais do mau hálito e suas consequências são tratados em nossa clínica, pois nosso tratamento visa, além de eliminar a halitose, devolver a nosso paciente, a segurança e autoestima perdidas devido à presença do mau hálito ou da crença em ter o problema.

Isso é feito através de um apoio ao seu lado psicológico e emocional durante e após o tratamento. Em raros casos é necessário o encaminhamento e acompanhamento de um(a) psicólogo(a) ou psiquiatra para tratamento conjunto.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]